Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

POLÍCIA FEDERAL APREENDE R$ 1 MILHÃO E CINCO CARROS DE LUXO NO AMAPÁ


Polícia Federal informou nesta sexta-feira (10) que foram apreendidos cinco carros de luxo e R$ 1 milhão no Amapá, durante a Operação Mãos Limpas, que prendeu o governador do estado Pedro Paulo Dias (PP) e outras 17 pessoas.

O G1 apurou que os carros importados, entre eles uma Ferrari, um Maserati, duas Mercedes e um mini Cooper, estavam em propriedades do presidente do Tribunal de Contas do estado, José Júlio de Miranda Coelho. Grande parte do dinheiro apreendido pela PF estava nas secretarias estaduais, principalmente na de Segurança Pública.
Com a ajuda de familiares que ocupavam cargos no governo, Pedro Paulo Dias teria montado uma quadrilha para desviar recursos da União e do estado. De acordo com a apuração do G1, entre as 18 pessoas presas, estão dois irmãos do governador: Benedito Dias, secretário especial de Governo, e Elpídio Dias, secretário de Saúde. Além deles, foi presa a namorada do governador e a ex-primeira-dama do estado, Marília Goés, mulher do ex-governador do Amapá Walter Goés, também foi preso.

Segundo informações da PF no Amapá, o presidente da Assembléia Legislativa do estado, Jorge Amanajás, depôs na Polícia Federal do Amapá, após um mandado de prisão coercitiva. De acordo com a PF, ele já foi liberado. A PF no estado informou ainda que, ao cumprir um mandado de busca e apreensão na casa do prefeito de Macapá, Antônio Roberto Rodrigues, foi encontrada uma arma. Com isso, o prefeito foi autuado em flagrante e levado à PF para prestar esclarecimentos. O prefeito pagou fiança e foi solto.

A Operação Mãos Limpas da Polícia Federal foi deflagrada nesta tarde. Os 18 acusados de participação em uma organização criminosa serão transferidos para Brasília entre esta sexta e sábado (11). Pedro Paulo, que está preso no quartel do Exército, em Macapá, será levado para a carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Brasília.
Foram mobilizados 600 policiais federais para cumprir 18 mandados de prisão temporária, 87 mandados de condução coercitiva e 94 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Segundo a PF, estão envolvidos no esquema servidores públicos, políticos e empresários.

As apurações da Polícia Federal revelaram indícios de um esquema de desvio de recursos da União que eram repassados à Secretaria de Educação do Estado do Amapá, provenientes do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

ENGENHEIRO ROBERTO ALENCAR


Falar mal ou tentar denegri a pessoa do Dr. Roberto Alencar é no mínimo fazer injustiça, pois dizer que o mesmo vem se locupletando através da SIMFRA é não conhecer sua trajetória moral e empresarial, antes do mesmo ser secretário municipal o mesmo já possuía e possui empresas, fazendas e empreendimentos, ou seja, é um empresário do ramo da construção civil bem sucedido, temos que acabar de achar que todos que ocupa função publica é corrupto, sou testemunha pessoal dos esforços do Secretário Roberto Alencar diante da sua função, ou melhor, toda cidade é testemunha, procurem conhecer melhor as pessoas para que daí façamos um julgamento justo e coerente, aqui não estou fazendo nenhum bajulamento ao mesmo, apenas fazendo justiça por uma pessoa qual tem abdicado de seus empreendimento para ajudar o Prefeito Madeira nessa tarefa árdua de reconstruir Imperatriz.

PF PRENDE GOVERNADOR DO AMAPÁ


GOVERNADOR CANDIDATO A REELEIÇÃO COM APOIO DO SENADOR JOSÉ SARNEY, DILMA E PRESIDENTE LULA

O governador do Amapá, Pedro Paulo Dias (PP), e outras 17 pessoas foram presas na manhã desta sexta-feira, 10, em Macapá, durante Operação Mãos Limpas, deflagrada pela Polícia Federal, suspeitas de integrar uma quadrilha que desviava verba pública. O objetivo da operação é prender a organização criminosa composta por servidores públicos, agentes políticos e empresários, que praticava desvio de recursos públicos do Estado do Amapá e da União. Em discurso, Sarney elogiou gestão de ex-governador preso.


Governador do Amapá e mais 17 serão transferidos para Brasília. Lula pediu votos em programa eleitoral para candidato preso, as investigações, que contaram com o auxílio da Receita Federal, Controladoria Geral da União e do Banco Central, iniciaram-se em agosto de 2009, e se encontram sob a presidência do Superior Tribunal de Justiça - STJ. As apurações revelaram indícios de um esquema de desvio de recursos da União que eram repassados à Secretaria de Educação do Estado do Amapá, provenientes do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação - FUNDEB, e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério - FUNDEF.


De acordo com a PF, a maioria dos contratos administrativos firmados pela Secretaria de Educação não respeitavam as formalidades legais e beneficiavam empresas previamente selecionadas. Apenas uma empresa de segurança e vigilância privada manteve contrato emergencial por três anos com a Secretaria de Educação, com fatura mensal superior a dois milhões e meio de reais, e com evidências de que parte do valor retornava, sob forma de propina, aos envolvidos.


Durante as investigações, constatou-se que o mesmo esquema era aplicado em outros órgãos públicos. Foram identificados desvios de recursos no Tribunal de Contas do Estado do Amapá, na Assembleia Legislativa, na Prefeitura de Macapá, nas Secretarias de Estado de Justiça e Segurança Pública, de Saúde, de Inclusão e Mobilização Social, de Desporto e Lazer e no Instituto de Administração Penitenciária.


Foram mobilizados 600 policiais federais para cumprir 18 mandados de prisão temporária, 87 mandados de condução coercitiva e 94 mandados de busca e apreensão, todos expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça. Além do Estado do Amapá, os mandados estão sendo cumpridos no Pará, Paraíba e São Paulo. Participam da ação 60 servidores da Receita Federal e 30 da Controladoria Geral da União.


Os envolvidos estão sendo investigados pelas práticas de crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, advocacia administrativa, ocultação de bens e valores, lavagem de dinheiro, fraude em licitações, tráfico de influência, formação de quadrilha, entre outros crimes conexos.