Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 28 de maio de 2009

DEPUTADO DENUNCIA EM BRASILIA ESCÂNDALO DO CASTELOO DE SARNEY


Julião Amin diz que o presidente do Senado é “um senhor feudal”O presidente do PDT no Maranhão, deputado federal Julião Amin, ocupou a tribuna da Câmara dos Deputados, em Brasília, no início da tarde de ontem, para denunciar que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), escondeu da Justiça brasileira por pelo menos quatro anos, um castelo de sua propriedade, a Quinta dos Lagos, adquirido em Portugal no início dos anos 90. Reportagem sobre o caso foi publicada na edição de domingo passado (24) do Jornal Pequeno. O repórter Oswaldo Viviani ficou uma semana em Portugal apurando o caso.
“Chamo a atenção desta Casa para a gravidade do fato: ser, ou ter sido, proprietário de um imóvel que vale mais de 30 milhões de reais, um monumento à riqueza e à extravagância. Um imóvel que nunca foi declarado como lhe pertencendo. Longe ou indiferente à opinião pública, José Sarney pratica atos que prefere não trazer à luz do dia”, declarou Julião Amin.
Ele observou que a comparação de Sarney a um senhor semifeudal, feita recentemente pela revista inglesa “The Economist”, “ganha um sentido quase literal. Temos em nosso país um senhor feudal, que foi a Portugal se abrigar em um castelo medieval”. Eis abaixo a íntegra do pronunciamento feito pelo presidente do PDT/MA ontem em Brasília:
“Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados. Recentemente esta Casa foi duramente questionada pela opinião pública quando a mídia divulgou que um dos seus parlamentares era proprietário de um castelo avaliado em R$ 20 milhões.
Sem querer entrar no mérito de um fato que atualmente é tratado nas instâncias competentes, chamo a atenção para a descoberta de uma informação de proporções muito maiores, embora guarde paralelos, que veio a público no meu estado, o Maranhão, e deve alcançar as manchetes da imprensa nacional.
Trata-se da informação de que o senador José Sarney teria sido proprietário de um castelo, em Sintra, Portugal. A notícia caiu como mais uma bomba na cabeça dos maranhenses, que hoje convivem com o flagelo das chuvas e uma governadora biônica, empossada por força de uma decisão judicial.
O castelo Quinta dos Lagos é um imóvel de 23.400 metros quadrados de área total, avaliado atualmente em R$ 30 milhões de reais (ou 10 milhões de euros), sem contar o valor histórico. De acordo com a reportagem do Jornal Pequeno, que fez investigações em Portugal, este monumento teria pertencido a Sarney por pelo menos quatro anos. A propriedade nunca foi declarada à Justiça Eleitoral nem à Receita brasileira.
As informações que levaram a essa descoberta foram inicialmente publicadas pela revista portuguesa “Olá”. De acordo com esta revista, José Sarney comprou no início dos anos 90 a Quinta dos Lagos, por meio da Almonde Securities S.A., uma offshore com sede no Panamá, mas que tem os fundos geridos na Suíça.
A reportagem do Jornal Pequeno esteve em Sintra e Lisboa no período de 14 a 22 de abril, e teve acesso, embora restrito, ao registro da transação imobiliária no 1º e no 2º Cartórios de Registro Predial de Sintra. A Quinta dos Lagos teria sido comprada por José Sarney/Almonde de representantes legais de uma certa família Sibourg.
Vizinhos e comerciantes antigos, instalados nos arredores do castelo, garantiram ao jornalista do Jornal Pequeno que pelo menos até 1993 “uns brasileiros da família de um ex-presidente da República” passavam parte do verão europeu na Quinta dos Lagos. A reportagem na íntegra está disponível no site do Jornal Pequeno [www.jornalpequeno.com.br].
Senhor presidente, chamo a atenção desta Casa para a gravidade do fato: ser, ou ter sido, proprietário de um imóvel que vale mais de 30 milhões de reais, um monumento à riqueza e à extravagância. Um imóvel que nunca foi declarado como lhe pertencendo. Longe ou indiferente à opinião pública, José Sarney pratica atos que prefere não trazer à luz do dia. Agora a comparação de Sarney a um senhor semifeudal, feita recentemente pela prestigiosa revista inglesa The Economist ganha um sentido quase literal. Um senhor feudal em seu castelo medieval. Era isso que tinha a dizer. Muito obrigado”.

Um comentário:

  1. Ei coisa linda do oião, mantenha-se apregado aos testículos do prefeito, leia a edição de domingo do jornal pequeno e veja que Sarney fez uma doação pública do suposto castelo à familia Bogéia, proprietária do pasquim que publicou a inverdade. Cuide da sua atividade de entregar cestas para comprar votos, e não meta o zoião onde não é chamado...
    Beijos nesse oião que os urubús hão de comer!

    ResponderExcluir