Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

CHEGA A DEZ O NÚMERO DE MORTOS EM ENCHENTES NA AUSTRÁLIA

Subiu para dez o número de mortos na enchente que castiga o nordeste da Austrália.
As autoridades alertam para o perigo de cobras e crocodilos, que estão sendo levados para as cidades pela correnteza dos rios.
A pior enchente dos últimos 50 anos na região já atingiu mais de 200 mil pessoas. Os prejuízos chegam a R$ 3 bilhões.
As inundações que afetam o país se estenderam nesta terça-feira (4) para mais áreas do interior e elevaram o número de comunidades isoladas pela água, cujo nível continua subindo. No estado de Queensland, a maioria dos 75 mil habitantes da cidade de Rockhampton está incomunicável e depende de helicópteros do Exército para receber comida, uma situação que se prolongará durante pelo menos duas semanas.
Cerca de 500 casas foram evacuadas e outras 1.200 ficaram submersas antes de o rio Fitzroy alcançar seu nível máximo o que deve ocorrer nesta quarta-feira, enquanto os donos de algumas lojas tentam se proteger com sacos de areia.
Além das inundações, os habitantes de Rockhampton se preparavam para lidar com a presença de serpentes e crocodilos. Os serviços de resgate temem que o nível da água se mantenha elevado por pelo menos duas semanas, favorecendo a proliferação de mosquitos portadores de doenças. Eles também advertem para a presença de serpentes venenosas e crocodilos.
"É temporada de acasalamento e os animais foram forçados a sair de seus hábitats naturais. As serpentes estão muito muito nervosas neste momento", declarou Scott Mahaffey, diretor de operações dos serviços de emergência.
Segundo os habitantes, as serpentes se refugiam nas árvores e nas casas à procura de um lugar seco.
Quanto aos crocodilos, "o problema é que é difícil avistá-los em meio aos destroços" carregados pela correnteza, acrescentou o dirigente de operações de emergência.
Um membro dos serviços de resgate contou à AFP ter visto "dois policiais saírem da água apressados, após terem percebido a proximidade da mandíbula do animal".

Nenhum comentário:

Postar um comentário