Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 30 de janeiro de 2011

INUNDAÇÕES, DESLIZAMENTOS, BURAQUEIRA EM SÃO LUIS

As fortes chuvas que têm caído na capital maranhense neste mês expuseram problemas crônicos – e sérios – que afligem os ludovicenses há muito tempo e há várias administrações. Inundações, deslizamentos, buracos (e “crateras”), semáforos em pane, todas essas situações foram constatadas em reportagens do Jornal Pequeno publicadas na última semana. A falta de abrigos de ônibus (veja matéria nesta página) soma-se a todos esses transtornos.
As quase 12 horas de chuva forte e ininterrupta que caiu na Grande São Luís na noite de 24 e madrugada de 25 deste mês, fizeram com que algumas das principais vias de São Luís – como Jerônimo de Albuquerque, Colares Moreira, Mário Andreazza, e parte da Guajararas, da São Luís Rei de França e da Holandeses, se tornassem verdadeiros rios. A avenida Tancredo Neves, que interliga os bairros Santa Efigênia e Cidade Olímpica, chegou a “cortar”. Pequenos buracos em avenidas importantes viraram grandes “crateras”. Vários semáforos pararam de funcionar durante a tempestade, e continuaram em pane após a chuva parar.
No incidente mais grave causado pela chuvarada, uma pequena ponte de concreto sobre o Rio Calhau – que ligava a Vila Conceição à avenida dos Holandeses – caiu e foi carregada pelas águas. Os moradores da área ficaram isolados. Várias casas localizadas à beira do rio foram inundadas e ainda correm o risco de desabar.
No Bairro Quintas do Calhau, o asfalto de uma rua foi arrancado pela enxurrada e muros de algumas casas desabaram, assim como o do quartel do 8º Batalhão da Polícia Militar, no Calhau.
Problemas de escoamento das águas causaram, ainda, inundações de residências no Bequimão e no Coroado.
Avenida ‘engolida’ e deslizamento – Na sexta-feira, matéria no JP de autoria da repórter Jully Camilo informou que as chuvas intensas em São Luís fizeram com que aumentasse o volume de água de um riacho próximo à Avenida Vale do Rio Pimenta, no Caolho. Isso agravou a erosão já existente no local e uma grande “cratera” praticamente “engoliu” a avenida, ameaçando a segurança dos imóveis situados em seu entorno.

2 comentários:

  1. Qaunta semelhança entre as cidades, seus problemas, seus gestores e suas administrações em sr. secretário.

    Wilson Leite

    ResponderExcluir
  2. Na realidade meu caro lá tanto quanto aqui chove tambem, ou será que voce não entendeu????

    ResponderExcluir