Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 16 de julho de 2011

“Imperatriz destravou e encontrou seu futuro”, diz Madeira

Repórter- Em junho sua gestão completou trinta meses. Que avaliação você faz deste período?

Prefeito Madeira: Organizamos muita coisa. Enfrentamos muitos problemas na infraestrutura urbana, corrigindo muitos pontos críticos, resolvendo coisas que estavam atrapalhando a vida da cidade há anos como, por exemplo, o fechamento da rua Fortunado Bandeira, no cruzamento com a rua Ceará; a rua Piauí, na região do Juçara; a Floriano Peixoto, na Nova Imperatriz; a General Gurjão, no Bacuri; a Coronel Manoel Bandeira, próximo ao Central Park; são problemas pontuais que estão sendo resolvidos. Além disso, temos enfrentado o problema do trânsito, criando novas vias, criando novas possibilidades para o escoamento do trânsito como, por exemplo, a divisão do trânsito da [avenida] Bernardo Sayão com a avenida Santa Teresa, a Leôncio Pires Dourado.

Repórter- O senhor fala muito em educação, que avanços o senhor apontaria nesse setor?

Prefeito Madeira- Na educação temos feito investimentos maciços, tendo como foco o aluno. Informatizamos as escolas. Hoje, 60% das escolas de Imperatriz possuem laboratório de informática. Nós temos convênio com o Instituto Ayrton Senna para a gestão escolar do programa Acelera. Temos parceira também com a Suzano.

Repórter- E no social?

Prefeito Madeira - Na área social também avançamos bastante. Criamos mais um Centro de Capacitação Profissional para as mulheres do grande Santa Rita. Mantivemos e ampliamos o da Vila Nova. Começamos com apenas um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), hoje são cinco.

Repórter- E na Agricultura?

Prefeito Madeira - A Secretaria de Agricultura tem funcionado, dando apoio aos pequenos produtores do município. Por ano, são mais de mil hectares de terra preparada, além da distribuição de sementes, compra da produção através do Compra Local, em parceria com o Governo Federal.

Repórter- E a saúde, vai bem?

Prefeito Madeira - Na saúde, modernizamos o Hospital Municipal, reformamos o prédio do Naisi; criamos programa de capacitação, ampliamos os CAP’s. Recebemos a saúde com dez leitos de UTI, hoje são 27, dos quais sete são infantis e vinte adultos. Recebemos o Socorrão atendendo em torno de sete mil pessoas por mês, hoje, são 17 mil atendimentos. São 600 cirurgias por mês.
Temos feito um esforço para ampliar os serviços em todas as áreas de serviço que o município presta à população.

Repórter: A saúde de Imperatriz é, tradicionalmente, a referência de toda a região Sul do Maranhão, além de parte do Pará e do Tocantins. Qual seriam os efeitos imediatos para a nossa população da regionalização desse sistema?

Madeira: O povo de Imperatriz tem sido vítima desse processo, porque cai nos ombros de Imperatriz a responsabilidade de cuidar da saúde de três estados e ao disponibilizar os recursos para todas as regiões nós acabamos ficando com uma parte dos recursos de Imperatriz. O Governo do Estado e a Secretaria de Saúde estão fazendo a regionalização, onde a região de Imperatriz fica com apenas 14 municípios. Vamos ver se funciona, se funcionar, ótimo. Temos certeza que a regionalização será feita da maneira correta, mas, nosso temor é que apesar disso, Imperatriz continue a atender todo mundo.

Repórter- Os bairros já estão sendo alcançados pelas ações da Prefeitura?

Prefeito Madeira - Agora, começamos um programa de recuperação das ruas dos bairros. Começamos pela região do [bairro] Santa Inês, que foi todo recuperado, até o Cefet [IFMA]; já recuperamos o Sol Nascente, o Santo Amaro; já avançamos pelo São José. Em breve vamos entrar no Parque Tocantins, na Vila Mariana, no Novo Horizonte. Também já estamos recuperando as ruas do Ouro Verde.
Asseguro que nesse aniversário de 159 anos temos muito o que comemorar. A cidade está se desenvolvendo a todo o vapor. Criamos as condições para que Imperatriz possa receber empresas de todos os portes, desde a Suzano, que é um investimento de quatro bilhões de reais, até as empresas pequenas. Chegaram shopping centers, o Atacadão, o Mateus ampliou a rede e fará novas construções, a construção civil está ofertando milhares de empregos e novas unidades sendo construídas. Só do “Minha Casa, Minha Vida” estão em construção três mil unidades, e há mais sete mil sendo preparadas para a construção. Há prédios de apartamentos em vários lugares. São 15 mil unidades residenciais em construção ou na iminência de se construir.

Repórter - O senhor já falou sobre algumas obras do município citando casos como o do Santo Amaro e da Vila Cafeteira, que são problemas de muitos anos que, agora, são resolvidos. Este é o mesmo caso da construção do poço artesiano em Olho D’água. De onde vem essa motivação para resolver estes problemas que já há tanto tempo se arrastam no município?

Madeira- É a necessidade. A população precisa. Imagina, em pleno século XXI, a população viver sem água; em pleno século XXI, numa cidade do porte de Imperatriz, existir bairros onde não entra nem ambulância. São coisas que angustiam o prefeito porque a nossa vontade é resolver tudo, mas temos limitações financeiras. Mas, dentro destas limitações, temos feito da fraqueza a força, para fazer essas intervenções que são necessárias para Imperatriz.

Repórter: A população cobra muito as obras de infraestrutura, principalmente nos bairros. Você acredita que a sua gestão tem conseguido alcançar estas áreas?

Madeira: Com certeza. Agora está deslanchando o projeto de saneamento da grande Cafeteira. Já foi feito esgoto, drenagem, que só falta uma pequena parte e agora, começa a obra de pavimentação. Estamos indo buscar recursos junto ao Governo do Estado e a governadora sinalizou com um convênio de dez milhões, para que a gente consiga fazer pelo menos mais 30 km de esgoto com asfalto e meio fio, melhorando ainda mais a vida da população de Imperatriz.

Repórter- A cidade está preparada para este “boom” econômico pelo qual está passando?

Madeira: Está pronta. Imperatriz sempre esteve pronta. É uma cidade que pensa alto, o que não tinha era um governo voltado para essa prioridade. A nossa prioridade é atrair quem possa investir em Imperatriz, para dar emprego, para aquecer a economia e para que a cidade tenha vida e segurar os imperatrizenses em Imperatriz. As pessoas que saem daqui para ir para o Norte do país e o Centro-Oeste vão à busca de emprego. Agora, nós estamos conseguindo fazer o processo inverso, as pessoas estão voltando para Imperatriz ao tomar conhecimento do que está acontecendo na cidade. E é muito gratificante o que eu tenho visto quando ando nos bairros da cidade, as pessoas me agradecendo porque seus filhos estão voltando para Imperatriz, porque conseguiram emprego em nossa cidade. Outro dia, durante a Expoimp, um pai me disse que sua filha que é psicóloga e estava morando em São Paulo, “chegou ontem e já arrumou emprego hoje’. Isso é muito bom para as famílias, é gratificante.

Repórter: Esses novos postos de trabalho exigem mão de obra qualificada. A sua gestão tem contribuído de alguma forma com a qualificação dos trabalhadores locais?

Madeira: Nos fizemos um Pró-jovem Trabalhador, em parceira com o Ministério do Trabalho, e mil jovens foram qualificados, e estamos fazendo parte da parceria com o Governo do Estado, Suzano, SENAC e com o CETEF do programa Capacitar para preparar 5,7 mil trabalhadores da área de construção civil, principalmente para a fábrica da Suzano mais, também, para outras construções que estão surgindo em Imperatriz. O município está ativo, está participando e Imperatriz está preparada, porque o povo daqui é trabalhador, é disciplinado, quer crescer e, a cada oportunidade que surge, as pessoas agarram com as duas mãos. Só para se ter uma ideia, no Atacadão são 350 jovens no primeiro emprego. Só do Ouro Verde são 16 jovens. Um emprego desses muda a vida, não só pelo salário, mas, principalmente, porque aprendem a trabalhar com disciplina, com método. Depois de passar por um emprego destes, a pessoa está capacitada para qualquer emprego.

Repórter: Quando deputado, você apresentou o projeto de criação do Maranhão do Sul. No início deste ano, foi solicitado que este projeto fosse desarquivado. Hoje, como você se posiciona em relação a este novo estado?

Madeira: Como sempre me posicionei: a favor. Imperatriz está preparada para ser a capital do novo estado, o Maranhão do Sul está preparado para ser um novo estado. A criação deste estado é como se os cabos que seguram nossa região fossem cortados. [Nossa região está] amarrada em um passo muito mais lento do que pode fazer. Vamos a um passo de jabuti, quando poderíamos estar decolando, estar voando. As condições são propícias, o povo é corajoso, arrojado, trabalhador. Temos tudo para, como um novo estado, disparar e, em uma década, nos tornarmos um dos estados mais potentes do Brasil.

Repórter: Você acha que o projeto ganha força agora, devido à proposta de divisão do estado do Pará, que chega a fase de plebiscito?

Madeira - Até hoje nunca havia sido aprovada uma consulta plebiscitária. Ao aprovar a primeira, mostrou que é possível. Eu acho que é importante. Vamos ver o que acontece no plebiscito do Pará porque, aprovada a criação, nós temos que convencer todo o Maranhão a votar a favor. Eu acho que a maior decepção é se fizermos o plebiscito e sermos derrotados.

Repórter- O que o imperatrizense tem para comemorar neste 16 de julho?

Madeira: Tem muito que comemorar. Imperatriz já se encontrou com o futuro. Ainda temos muito problemas, se quisermos olhar o [lado] negativo. Mas temos mais coisas positivas. Estamos vendo a cidade decolando, o povo animado, um clima de incentivo, todos apostando na cidade. Nós temos visto os serviços andando, a infraestrutura melhorando. Quem esteve há dois anos em Imperatriz e chegar hoje se assusta, porque a cidade está diferente. O clima de mudança é total, não só na infraestrutura, não só fisicamente, mas psicologicamente também. Na cabeça das pessoas, Imperatriz agora destravou, Imperatriz está voando e esse voo é para o desenvolvimento da cidade e para o futuro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário