Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Águas do Rio Tocantins oscilam e intranquilizam ribeirinhos



Após oito dias da inundação que resultou em prejuízos materiais para boa parte das 300 famílias atingidas no dia 8 de janeiro, em Imperatriz, o Rio Tocantins deixou em alerta, no último domingo, a própria Defesa Civil e os moradores que retornaram aos locais de risco mesmo sabendo que o nível continuaria elevado.

O serralheiro Antônio de Sousa teria saído com a família na tarde de domingo, 15 de janeiro, e, ao retornar no final do dia, notou que a água havia avançado cerca de 100 metros na Rua Luis Domingues em direção ao centro da cidade. “Foi rápido igual da outra vez, mas em menores proporções. Algumas calçadas nem foram cobertas e a água estava baixa”, explicou. Antônio afirma que por menos de três metros a água não chegou à porta da casa dele.

O coordenador da Defesa Civil de Imperatriz, Francisco das Chagas, disse que o aumento no nível do Rio Tocantins no último final de semana foi o anunciado na semana passada pela direção do Consórcio Estreito Energia, que alertava para novos riscos de alagamento. “É pior ainda por que está acontecendo sempre aos finais de semana. Sexta-feira passada (13) ficamos até o inicio da noite no Porto da Balsa, pois a água já estava subindo, sábado permanecemos até por volta das 8h da noite e domingo deixamos o bairro Beira-Rio 5h da tarde. Na noite de domingo a água alcançou 7,4 metros, chegou na Luis Domingues e cobriu a Rua Nova”, explica.

Francisco das Chagas comentou que na semana passada ele e o prefeito Sebastião Madeira, receberam a visita do diretor de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Ceste no Rio de Janeiro, Dimas Maintinguer, o mesmo que enviou nota ao Correio Popular no ultimo dia 10 garantindo que a empresa teria informado à Defesa Civil de Imperatriz sobre o aumento na vazão que resultou na primeira cheia do ano. “Dimas esteve aqui e voltou a afirmar que o aviso foi mandado com antecedência, mas nós só recebemos no sábado (07) por volta das 7h da noite”, insiste o coordenador.

De acordo com Francisco, o diretor da Ceste teria informado que os desencontros de informações relacionados a quem avisou ou deixou de avisar sobre a enchente do dia 8 resultaram na demissão de um funcionário da hidrelétrica de Estreito, a pessoa que seria responsável pelo setor de operação da barragem. A Defesa Civil também informou que amanhã, a diretoria da Ceste no Rio de Janeiro deve retornar a Imperatriz para o encontro solicitado na semana passada pela governadora Roseana Sarney após a mesma tomar conhecimento dos prejuízos sofridos pelas famílias ribeirinhas. A reunião, que será entre o Consórcio e o Município de Imperatriz, ainda não tem horário marcado.

Às 4h30 da tarde desta segunda-feira (16) a Defesa Civil informou que o Rio Tocantins estava a exatamente 6,5 metros acima do nível normal. O método utilizado pelos técnicos para acompanhar o sobe e desce das águas é uma escala desenhada em uma das colunas da ponte Dom Afonso Felipe Gregory. Com o auxílio de um binóculo, os técnicos da Defesa Civil observam a altura da água e comparam com a marca que o rio mantém no período de verão.

Por Hemerson Pinto (jornal correio Popular)

Nenhum comentário:

Postar um comentário